Coroatá

Ex-procurador explica dívida com a Cemar deixada pela Prefeitura

07 JAN 2017 | 03h42

Após a publicação de uma matéria aqui no portal Coroatá Online onde o Secretário de Finanças da Prefeitura de Coroatá, Manoel Sansão, afirmou que a gestão passada deixou uma dívida com a Cemar de mais de 12 milhões de reais, o ex-procurador do município, Elias Moura Neto, encaminhou uma nota à nossa redação explicando a origem dessa dívida, que segundo é da gestão anterior a de Teresa Murad.

“Assumimos o débito em 2013 que, vem desde a gestão do Luís da Amovelar, tanto é que a Cemar cortou a energia algumas vezes durante a gestão dele. Esse débito é antigo. O que ocorreu foi que acabou virando um precatório, nós negociamos esse precatório, 8 milhões em várias parcelas de 61 mil reais. Essas parcelas foram pagas até agosto do ano passado quando a briga por repasse, queda por arrecadação, diminuição dos repasses para o município, provocou diversos contratempos. Houve realmente um pequeno atraso nas parcelas. De qualquer maneira, é importante esclarecer que o débito é antigo, vem da gestão do Movelar. Interessante ressaltar também que nós negociamos 9 milhões de precatório, enquanto o Luís da Amovelar durante oito anos não pagou um precatório, temos inclusive provas do tribunal dando baixa nos precatórios que a prefeita Teresa Murad negociou, coisa que eles não fizeram”, disse o advogado Elias Moura Neto.

O prefeito Luís da Amovelar Filho renegociou o débito nesta semana, durante reunião com a presença do responsável pelo corporativo da Cemar, na cidade de Bacabal, a fim de que a energia do prédio da Prefeitura de Coroatá fosse restabelecida e os trabalhos normalizados.



Comentário

PUBLICIDADE


Mais lidas








PUBLICIDADE

Enquete

Presidente do TSE, Luiz Fux, disse que excesso de Fake News pode anular as eleições de 2018. Você concorda com essa possibilidade?

2016 © Todos os Direitos Reservados