Coroatá

Sinproesemma critica gestão do prefeito Luís Filho

Em carta aberta, o Sindicato diz que “Infelizmente a atual gestão não tem até o momento priorizado e gerido com atenção e responsabilidade necessárias o sistema de ensino em Coroatá”.

09 MAIO 2018 | 03h32

Carta aberta à sociedade coroataense

O SINPROESEMMA, Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica das Redes Públicas Estadual e Municipais do Estado do Maranhão, atua em Coroatá desde 2013, quando na época, se dedicou a buscar a garantia de direitos básicos, como a redução de carga horária de trabalho, cumprimento da lei do piso salarial 11.738/08 e a implantação do PCCS dos professores efetivos e que, consequentemente, irá beneficiar os professores Substitutos (contratados). Em razão disso, membros do sindicato sofreram inúmeras perseguições e retaliações – remoções para áreas rurais longínquas, e até exoneração por parte da gestão de Teresa Murad, que se mostrava sempre autocrática e resistente a qualquer diálogo com a classe de professores.

Em 2016, com o apoio supremo da sociedade, de membros do citado sindicato e da maioria dos professores do município que discordavam e combatiam o modelo autoritário de fazer gestão, desencadeado pelo grupo Murad, Luís Mendes Ferreira Filho, o Luís Filho, elegeu-se prefeito de Coroatá. Logicamente, quando a sociedade decide alternar o postulante do poder executivo, ela espera que o eleito implemente práticas diferentes, estabeleça projetos que desenvolvam o município e melhore os serviços básicos dos quais a população tem direito.

Infelizmente, a gestão Luís Filho não tem até o momento priorizado e gerido com atenção e responsabilidade necessárias o sistema de ensino, tendo a proeza, inclusive, de precarizar o que já não era de qualidade. Tal inferência fica nítida quando se observa, com tristeza e decepção, o descuido com a manutenção das instituições de ensino, que ainda não foram reformadas ou sequer pintadas (os últimos reparos foram feitos durante a gestão de Teresa Murad), lâmpadas e ventiladores queimados e que não são substituídos por novos; escassez de recursos e materiais pedagógicos que melhorem a prática docente (pincéis, abastecedores, apagadores, máquinas de xérox, etc.), alunos sem fardamento e quites de materiais.

Soma-se a tudo isso o fato de a gestão não ter proposto ainda nenhuma adequação positiva ao PCCS (Plano de Cargos, Carreiras e Salários) que possa ir de encontro à melhor valorização dos profissionais de educação (ainda hoje, um professor que se desloca para a zona rural, permanece ganhando 11 centavos por quilômetro percorrido, por exemplo), não pagamento de abono salarial e das constantes denúncias de que o poder público tem pagado com recursos oriundos do FUNDEB os ditos “funcionários fantasmas”, o que, se verídico, desmonta a falácia de que o sistema de ensino vive uma crise financeira. Nesse sentido, é importante aclarar que a única ação positiva da gestão é o devido cumprimento da lei do piso salarial, que reajusta o salário dos professores todo ano, com porcentuais estabelecidos pelo governo federal.

Por fim, o SINPROESEMMA aguarda o posicionamento do município e que, além disso, possa resolver ou minimizar as mazelas e descasos elencados, pois caso o contrário, este sindicato não irá se curvar ou se calar diante de tamanhos desmandos que comprometem a qualidade da educação dos coroataenses.

Coordenação do núcleo local do SINPROESEMMA. “Sempre trabalhando por melhorias no magistério.”



Comentário

PUBLICIDADE


Mais lidas








PUBLICIDADE

Enquete

Presidente do TSE, Luiz Fux, disse que excesso de Fake News pode anular as eleições de 2018. Você concorda com essa possibilidade?

2016 © Todos os Direitos Reservados