Sexta, 24 de Setembro de 2021
(99) 98535-1531
SaudeIntensiva SaudeIntensiva

Infarto em jovens: por que costuma ser fatal e como evitar

Cerca de 15% dos casos de infarto são causados por uma situação de estresse repentino e muito forte, provocando o fechamento de uma artéria coronária.

04/08/2021 21h04 Atualizada há 2 meses
Por: Redação
Imagem: reprodução google

O número de jovens vítimas de infarto só cresce. Segundo o Ministério da Saúde, de 2013 pra cá os episódios de infarto entre adultos com até 30 anos subiram 13%. Isso reflete o aumento de hábitos não saudáveis que colocam em risco a vida de pessoas nessa faixa etária.

O aspecto mais agravante é que, na população jovem, o infarto miocárdico costuma ser fulminante, ou seja, mata nas primeiras horas, sem muitas possibilidades de salvamento ou tratamento complementar.

Os sintomas de um ataque cardíaco nos jovens são diferentes dos que acometem os mais velhos: Eles são mais exuberantes, como dor no peito irradiando para os braços, sudorese fria, mal estar, náuseas e vômitos.

O mais importante nos casos de infarto é o tempo decorrido do início dos sintomas até a desobstrução da artéria. Quanto maior esse intervalo, maiores são as chances de sequelas.

Cerca de 15% dos casos de infarto são causados por uma situação de estresse repentino e muito forte, provocando o fechamento de uma artéria coronária. Durante uma crise de estresse, a pessoa pode ter, ainda, sintomas parecidos aos de um infarto, como falta de ar, coração acelerado e transpiração excessiva.

Pode ser difícil encontrar formas de lidar com o estresse, mesmo sabendo o motivo pelo qual ele existe e quais são as suas consequências. Em situações de estresse repentino, a defesa do organismo faz com que hormônios como a adrenalina e a noradrenalina sejam liberados, causando redução do calibre dos vasos sanguíneos, espasmos das artérias coronárias, aumento da pressão arterial e da frequência cardíaca.

São os chamados hormônios do estresse. Mas por que tudo isso se altera?

Porque são essas alterações que fazem com que mais sangue chegue aos órgãos e músculos, o que facilita uma corrida ou atividade física de grande intensidade (como uma luta, por exemplo). Durante uma crise de estresse aguda nota-se rubor facial, sudorese e palpitações, semelhante ao infarto.

Dicas de prevenção:

Imagem: reprodução google
  • Pratique atividade física

  • Dê mais atenção às suas necessidades pessoais

  • Evite o estresse no trabalho

  • Alimente-se com calma

  • Mantenha os índices de colesterol e a pressão arterial sob controle

  • Abandone hábitos prejudiciais, como excesso de bebidas alcoólicas e cigarro.

A prevenção é o melhor tratamento.

Até quarta que vem =D

Prof. Jairo Rocha – Enfermeiro Intensivista
Mestre e especialista em terapia intensiva
Instagram: @prof.jairorocha

Clique na imagem ou AQUI para tirar qualquer dúvida sobre os cursos

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.