Sexta, 24 de Setembro de 2021
(99) 98535-1531
Coluna Administração

Os Impactos sobre a ponte do rio Itapecuru em Coroatá

Entre os principais problemas estão as dificuldades para chegar a escolas, ao trabalho e à unidade de saúde, principalmente o escoamento de produções.

06/09/2021 09h24 Atualizada há 2 semanas
Por: Francinaldo Lima
Ponte tem sido sobrecarregada (Imagem: Coroatá Online)
Ponte tem sido sobrecarregada (Imagem: Coroatá Online)

Centenas de coroataenses foram impactados e mudaram as rotinas após a ponte do rio Itapecuru ser parcialmente bloqueada por problemas estruturais. Moradores de um dos bairros da cidade contam que entre os principais problemas estão as dificuldades para chegar a escolas, ao trabalho e à unidade de saúde, principalmente o escoamento de produções. Prejudicados, a população cobra uma rota alternativa segura e rápida.

A ponte foi parcialmente interditada para avaliações sobre o risco de desabamento da estrutura. Desde então só é permitida a passagem de ciclistas, pedestres, motociclistas e carros, obedecendo assim a altura permitida de até 2,60m. A cidade de Coroatá fica situada no centro-leste do Maranhão no vale do Itapecuru, a 260 km de São Luís, capital do estado, tendo como cidades vizinhas Peritoró, Pirapemas, Timbiras e Vargem-Grande que é rota por onde há um escoamento de cargas de grande volume. Logo após ser totalmente asfaltada, a MA 020, virou uma alternativa para o escoamento de grandes cargas fazendo com que os caminhoneiros optassem pela rota, gerando assim uma economia de em média 70 km para chegar à capital do estado, São Luís. Desde então, alguns problemas estruturais vieram à tona por não suportar o grande tráfego de cargas pesadas.

Os moradores reclamam da falta de acesso para fazer a travessia sobre o rio Itapecuru. Uma das alternativas para os alunos é atravessar caminhando. A distância de uma margem à outra é de aproximadamente 500 metros até o próximo transporte público para que assim possa chegar ao seu destino escolar.

Em relação à saúde, trata-se de um problema regional, haja vista que no bairro da Trizidela fica localizado o Hospital Macrorregional que há 9 anos vem atendendo tanto os habitantes da cidade sede quanto as das região, por outro lado há a Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Sendo assim, há um impacto relacionado ao tráfego de ambulâncias sobre a ponte do Rio Itapecuru.

Portanto, faz se necessário uma grande mobilização estadual e municipal para que haja menos impactos e desconfortos para a sociedade local e regionais. Diante disso, a consciência da população é fundamental para que possa fluir dentro do prazo de obras que será aplicada na região para que possa estar pronta para suportar o período chuvoso que acontece no início de dezembro.

E aí, curtiu o tema? Então deixe um comentário. Contribua para o desenvolvimento de nossa cidade. E lembre-se de compartilhar esse conteúdo com quem curte administração e negócios digitais.

Sobre o Francinaldo Lima

Formado em Bacharel em Administração Pública pela (UEMA). Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas pela (UNINTER). Possui algumas certificações pela Enap - Escola Nacional de Administração Pública. Atualmente está exercendo a função de Chefe de TI da Prefeitura de Coroatá.

Redes sociais:

Facebook: @ofrancinaldolima

Instagram: @ofrancinaldolima

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Administração e Negócios
Sobre Administração e Negócios
Uma coluna escrita pelo Francinaldo Lima – Sobre conhecimento em Administração e Negócios Digitais.