Sexta, 24 de Setembro de 2021
(99) 98535-1531
Coluna Artigo novo

Os perigos da distorção de imagem no espelho e a busca excessiva pela magreza

"Eu me olhava e não enxergava como eu realmente estava. Hoje olho fotos antigas e penso: MEU DEUS, ESSA SOU EU?’

13/09/2021 19h46 Atualizada há 2 semanas
Por: Rafaela Costa
Início de uma rotina interminável (foto: reprodução)

Não é uma regra, mas a maioria das mulheres que passam por uma gestação em algum momento se sentem cobradas pela ‘volta do corpo antes da gestação’. Comigo não foi diferente... depois da minha gestação eu entrei em uma busca inconstante pela magreza. 

Com 45 dias pós-parto a obstetra me liberou para fazer atividades físicas e então eu comecei numa excessividade de cardios... ia para a academia, fazia caminhadas leves na esteira com duração de 40 minutos, 1 hora...no final do dia mais uma hora de caminhada, e depois de um tempo a caminhada progrediu para a corrida. No mínimo duas horas por dia de corrida, cardio, e abdominais, afinal, na minha cabeça era só disso que eu precisava para ‘ser magra’ e ‘ter o corpo de antes’.

Minha rotina era resumida a correr: na academia, na rua, ou no campo que tenho em casa. Eu só queria mais: sempre dava para secar mais. Fazer mais cardio. Gastar mais calorias. Comer menos... além de ainda estar amamentando. 

Essa compulsão pela magreza pós parto me custou momentos com pessoas que eu amo, me custou amigos, me custou saúde... eu adoeci e não percebi.

A busca pela "perfeição" me custou amigos e minha saúde (foto: reprodução)

De abril de 2019 a maio de 2020 eu vivi nesse looping: querer ser sempre mais magra. Eu me olhava e não enxergava como eu realmente estava. Muitas vezes era a distorção de imagem falando. A obsessão pela magreza. Quando estamos dominados pela distorção é extremamente difícil enxergar a realidade, inclusive, muitas vezes a negamos, aliás, é mais fácil negar do que enfrentar.

Eu me olhava e não enxergava como eu realmente estava (foto: reprodução)

Demorou...mas eu quis melhorar. Eu comecei a entender meus gatilhos, eu amadureci. Hoje olho fotos antigas e penso: ‘’MEU DEUS, ESSA SOU EU?’’ e sim, sou eu...antes de querer realmente mudar! Eu jurava que era saudável por ser “fitness demais’’.

O transtorno passou! Ele é passado e não está mais aqui!

A mudança de hoje é o resultado de um amadurecimento (foto: reprodução)
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Maternidade Fitness
Sobre Maternidade Fitness
Nesta coluna a jovem Rafaela, de 26 anos, mãe de gêmeos de 3 anos e de mais um bebê de dois anos, fala sobre os desafios da maternidade fitness.