Opinião

Perigo: crianças e pré adolescentes nas redes sociais

Perigo: crianças e pré adolescentes nas redes sociais

Em um mundo cada vez mais conectado, é importante proteger e orientar nossas crianças e adolescentes nas redes sociais e fora delas.


06/12/18 15:33 - Atualizado em 10/12/18 15:43

O presente trabalho veio como alerta aos pais que deixam seus filhos viralizando a todo instante nas redes sociais, tenho como experiência crianças e pré adolescentes com celulares de última geração interagindo com o mundo virtual e ao mesmo tempo se expondo, não se pode proibir, mas é necessário ter diálogo e orientação, Educação é primordial.

As redes sociais estão crescendo cada vez mais aqui no Brasil e em todo o mundo. Não há como fugir da tecnologia hoje em dia, as crianças e adolescentes têm mais facilidades com o mundo virtual do que nós adultos: não importa se você deseja conversar com familiares, fazer contatos profissionais, rever velhos amigos ou fazer amizade nova, esse mundo fascinante pode facilitar essas interações.

No entanto, a questão é quando se trata de crianças e redes sociais. Tudo que é postado, como fotos, textos, vídeos e tudo mais fica disponível para muitos verem, inclusive pessoas mal intencionadas, costumo dizer que é um universo gigante, onde muitas pessoas estão olhando uns aos outros. Como proteger nossas crianças desse tipo de situação? devemos proibi-las de acessar determinados sites ou devemos acompanha-las durante a navegação?

Crianças e pré-adolescentes começam a usar as redes sociais cada vez mais cedo. O uso do computador e outros dispositivos móveis, como celulares e tablets, mas ter comando desses dispositivos é essencial nos dias de hoje, alguns pais presenteiam seus filhos com celulares ou tablets de última geração, dificilmente dão livros de histórias infantis de presente de aniversário aos filhos.

Quando as crianças e pré-adolescentes tomam consciência das redes sociais e descobrem o que podem fazer nelas, já querem criar suas contas. A verdade é que a maioria dessas redes estabelecem uma idade mínima para seus usuários. O Facebook, por exemplo, coloca uma idade de 13 anos, no entanto alguns mentem ao criar suas contas, isso é perigoso e cabe aos pais estarem olhando o que seus filhos acessam e com quem conversam, em vez de estarem sempre conectados deveriam estar lendo, ou mesmo brincando com coleguinhas de sua idade.

Os riscos são muitos:

A divulgação de dados pessoais podem ser utilizados por pessoas de má fé;

Muitos criminosos tentam aliciar crianças pelas redes sociais. Pedófilos também usam as redes sociais para encontrar vítimas em potencial, não se conhece quem está do outro lado.

Há alguns anos eu assisti um filme que falava sobre pedofilia, o nome do filme era CONFIAR, que explora a temática da pedofilia na internet. No enredo uma família que mora no subúrbio de Chicago, nos Estados unidos, presenteia sua filha de 14 anos com um computador. Nos primeiros dias de uso, a adolescente entra em uma sala de bate-papo e faz amizade suspeita que vai mudar sua vida. Ela começa a conversar com o rapaz que fala que tem 16 anos, ele trata ela bem, fala palavras bonitas ajuda ela na escola, cria um laço de amizade, confiança, passa uns dias ele fala que tem 18 anos, depois diz que tem 20, a garota estava tão apaixonada, tão iludida pelo rapaz que nem percebia a intenção do monstro, depois ele fala que tem 35 anos. Logo em seguida, ele marca um encontro, quando ela entra no carro ele dar uma lingerie de presente pra adolescente, tira a virgindade da garota, desaparece do nada, não responde suas mensagens, ela assustada conta para suas amigas pedindo ajuda.

Além desses riscos, crianças que estão nas redes sociais podem passar por situações de constrangimentos e bullying.

Recentemente participantes de um determinado reality show sofreram ataques de ódio, comentários ofensivos e sexuais nas redes sociais. Esse tipo de comentários podem traumatizar qualquer pessoa ainda mais uma criança, mas proibir por completo o acesso as redes sociais é a melhor saída?

Quando o assunto é criança e redes sociais, muitos acreditam que não há o que pensar e a proibição é o melhor caminho. Hoje em dia, as redes sociais muitas vezes são usadas em sala de aula, como uma forma rápida e prática de interagir e aprender juntos.

A internet traz para as crianças, pré adolescentes, a autonomia e criatividade enquanto interage com o mundo, elas são influenciadas a dar opinião e divulgar trabalhos, compartilhar momentos importantes, no entanto, os pais podem e devem controlar o uso. Existem aplicativos, que rastreiam o uso das redes sociais para que os pais mantenham seus filhos seguros.

Esse controle pode ser feito sem ajuda de aplicativo, por meio de algumas orientações, por exemplo, dizer aos filhos para não divulgar dados pessoais e controlar o tempo que eles passam conectados.

Explique que determinados sites podem ser perigosos, que a sua idade não permite acessa-los, promova o diálogo em família para que a criança se sinta confortável para avisar se houver qualquer problema.

Em um mundo cada vez mais conectado, é importante proteger e orientar nossas crianças e adolescentes nas redes sociais e fora delas.

Texto escrito por Elizeu Santos
Graduado em Filosofia com Pós em Psicopedagogia.



Comentário

PUBLICIDADE


Mais lidas








PUBLICIDADE

Enquete

Você acredita que, em 2019 a economia do País vai melhorar?

2016 © Todos os Direitos Reservados